miércoles, octubre 21, 2020

Especial Indy 500: O carro que em dois anos venceu em Le Mans e em Indianápolis

Faltam 22 dias para as 500 Milhas de Indianápolis. Foi somente em 1922, na décima edição da corrida, que um piloto conseguiu liderar a primeira e última voltas da prova: o americano Jimmy Murphy. Um homem que levou um mesmo bólido à vitória, em dois anos, nos dois principais templos do automobilismo no planeta.

Filho de pais irlandeses, Murphy perdeu a mãe com apenas 12 anos, no famoso terremoto de San Francisco, em 1906, quando um tremor de escala 7.9, seguido de incêndios devastadores, atingiu a região da cidade em que nasceu. Iniciou sua carreira no automobilismo como o mecânico auxiliar, que ia na carona do piloto, algo deveras comum quando se fala em corridas da década de 1910.

Já piloto, se tornou o primeiro americano a vencer um Grande Prêmio com um carro americano, um Duesenberg, quando faturou o GP da França, em Le Mans, em 1921. O feito só seria igualado por Dan Gurney, que venceu o GP da Bélgica de 1967 com seu Eagle, em prova já válida pelo Mundial de Formula 1. Naquele ano, Gurney se tornaria também o primeiro americano a vencer em Le Mans desde o próprio Murphy, quando faturou as 24 Horas num Ford GT40 ao lado de A. J. Foyt.

Um detalhe: a prova de Le Mans, em 1921, era disputada por carros do tipo Grand Prix, que com o passar dos anos, iriam evoluir para o que conhecemos como a Fórmula 1. Naquela época, a tradicional prova das 24 Horas ainda não existia: sua primeira edição no tradicional circuito francês ocorreria somente em 1923.

Em 1922, Murphy levou o mesmo carro vencedor em Le Mans no ano anterior, com as devidas modificações, à vitória em Indianápolis, o que o fez ser o primeiro a triunfar ao partir da pole position. Ele ainda se tornou o campeão ao equivalente à atual Fórmula Indy na temporada, feito que quase repetiu no ano seguinte – quando perdeu diversas provas nos EUA para competir em provas na Europa, como o GP da Itália, em Monza, cujo mestre de cerimônias era ninguém menos que Benito Mussolini. 

Em 24, voltou a ser pole em Indy, mas terminou em terceiro. Morreria já ao final daquele ano, com apenas 30 anos, numa prova promovida por um amigo na dirt track de Syracuse, em Nova Iorque.

Texto: Geferson Kern / Colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com

Latest Posts

Andretti, Foyt, Carpenter y McLaren: la lucha por $ 1 millón en la parte inferior de la parrilla

Texto: Geferson Kern/Colaborador de IndyCarLatinos.com Brasil

Andretti, Foyt, Carpenter e McLaren: a briga por US$ 1 milhão no fundo do pelotão

Texto: Geferson Kern/colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com

Las matemáticas de la disputa por el título de IndyCar en St. Petersburg

Texto: Geferson Kern / colaborador Brasil de...

Dixon busca liderar campeonato «de principio a fin»

Texto: Bruce Martin para IndyCar.com