miércoles, octubre 21, 2020

O renascimento das cinzas de VeeKay em Indianápolis

Rinus VeeKay estava certo quando classificou sua primeira corrida na Fórmula Indy, no Texas, em junho, como um “pesadelo”. Ele não só bateu o carro nos treinos e ficou fora da classificação como ainda terminou o dia com um acidente na corrida. Um fim de semana que chateou não só o novato holandês, mas também o dono de seu time, Ed Carpenter.

«Foi difícil. Tudo o que pedi para Rinus fazer, ele realmente não fez. Eu queria que ele fosse paciente e tivesse cuidado. A última coisa que eu disse a ele antes da corrida era não subir (para a linha externa) e ficar longe dos pelotões. Então, temos um pouco de trabalho a fazer lá em relação à sua maneira de aprender, mas ele pode dirigir o carro como queremos», desabafou Carpenter em tom desafiador, após um fim de semana para esquecer de seu pupilo.

O holandês, atual vice-campeão da Indy Lights, chegou com toda essa pressão em Indianápolis. E o que aconteceu? VeeKay largou em 18º e terminou em quinto, muito perto do quarto colocado, o talentoso e jovem Colton Herta. «Estou tão feliz», resumiu o novato, que admitiu ter tido uma estreia “embaraçosa” no Texas. «É incrível», disse VeeKay ao final do IndyGP. «Eu sabia que tinha um bom carro. Mas nós realmente definimos a estratégia, e eu também me senti muito bem ao dirigir o carro. Eu me senti super seguro e no controle no carro».

O momento chave para VeeKay foi uma decisão estratégica que fez grande diferença no desempenho do seu carro. Ele parou logo na quinta volta e saiu de pneus duros para os macios. Com os pneus de banda vermelha oferecendo mais velocidade, o novato pode imprimir um ritmo mais forte e ganhar posições. “Quando entrei no pit lane, quase todos os outros caras fizeram a mesma coisa. Foi uma ótima chamada da equipe. Foi super profissional», contou o empolgado piloto europeu.

“Foi difícil lidar com o combustível e os pneus, algo que nunca precisei fazer antes. Eu me saí muito bem e tenho uma ótima equipe que me ajudou a chegar à frente. O Texas foi realmente difícil. Foi um pesadelo para mim. Tudo o que eu não queria que acontecesse, aconteceu comigo. Eu tive um bom mês para pensar sobre isso e redefinir minha mente. Eu passei muito tempo com a equipe e nossa dedicação me ajudou a obter o resultado oposto que obtive no Texas. disse VeeKay.

“Ed (Carpenter) me disse o que fiz de errado depois do Texas. Ele é o chefe da equipe e o líder. Ele se certificou que eu aprenderia com meus erros. Assistindo a corrida, eu realmente aprendi com meus erros. Fiz alguns movimentos que podem não ter sido os mais inteligentes, mas ainda estou aprendendo. Mal posso esperar para ir à minha pista favorita, Road America», encerrou Rinus. Que espera manter seu renascimento das cinzas e deixar em definitivo a prova de estreia para trás.

Latest Posts

Andretti, Foyt, Carpenter y McLaren: la lucha por $ 1 millón en la parte inferior de la parrilla

Texto: Geferson Kern/Colaborador de IndyCarLatinos.com Brasil

Andretti, Foyt, Carpenter e McLaren: a briga por US$ 1 milhão no fundo do pelotão

Texto: Geferson Kern/colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com

Las matemáticas de la disputa por el título de IndyCar en St. Petersburg

Texto: Geferson Kern / colaborador Brasil de...

Dixon busca liderar campeonato «de principio a fin»

Texto: Bruce Martin para IndyCar.com