sábado, octubre 31, 2020

Power resiste à pressão de Herta nas últimas voltas e se torna um dos cinco maiores vencedores da história

Texto: Geferson Kern / colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com

Will Power teve de resistir a dez voltas de ataque total de Colton Herta para vencer pela segunda vez na temporada, neste sábado (2), na corrida 2 da rodada dupla no circuito misto de Indianápolis. Depois de largar na pole, o australiano liderou de ponta a ponta e conquistou sua 39ª vitória na história da categoria. A marca faz do piloto da Penske o quinto maior vencedor de corridas da história da Fórmula Indy, empatado com Al Unser Sr. Alexander Rossi, companheiro de Herta na Andretti, completou o pódio, em seu quarto Top3 consecutivo em 2020.

Apesar de liderar por toda a corrida, Power não teve vida fácil. No último terço de prova, após a rodada final de pit stops, começou a ser fortemente pressionado pelos americanos do time chefiado por Michael Andretti. A dificuldade passou a ser ainda maior quando Colton Herta, que havia largado ao seu lado na primeira fila, se livrou de Rossi e partiu para o ataque. O jovem de 20 anos, no entanto, lamentou o desempenho de seus pneus na reta final da corrida, em coro com o que disse o vencedor da corrida.

“Os pneus acabaram [no fim da prova]. Foi uma batalha difícil e eu tive que trabalhar muito duro para manter ele atrás de mim”, disse Power, em relação ao rival do carro #88. “Quando você olha para os nomes de quem eu estou ao redor, é incrível estar com estas pessoas, lendas do esporte. Nunca podia imaginar meu nome entre estes pilotos históricos e inacreditáveis. Eu era um grande fã deles quando criança e eles eram meus herois, então é muito legal ter meu nome ali”, completou, sobre ter se tornado um dos cinco maiores ganhadores de corrida da Indy em todos os tempos.

Entre os postulantes ao título, Josef Newgarden chegou em 4º, após grande duelo com Pato O’Ward, da McLaren. Já Scott Dixon, depois de sofrer dano no assoalho do carro ao ultrapassar Ryan Hunter-Reay no começo da prova, chegou em 8º, o que fez a diferença entre os dois cair novamente, de 40 para 32 pontos. Mesmo assim, Dixon será campeão se repetir o resultado na última prova da temporada, no fim deste mês, em St. Petersburg, independente do que Newgarden fizer nas ruas da Flórida.

O brasileiro Hélio Castroneves, de volta à Indy pela McLaren, tentou uma estratégia de pit stops diferente e andou boa parte da prova entre os dez primeiros colocados. No entanto, a tática precisaria de bandeiras amarelas para funcionar e, a exemplo da prova de sexta-feira (2), nenhuma vez o Pace Car foi acionado. Assim, Helinho concluiu sua primeira participação na categoria fora da equipe Penske desde 1999 na 21ª posição.

A última prova da temporada acontece no dia 25 de outubro, um domingo, no circuito de rua de St. Petersburg. A prova deveria abrir a temporada, mas foi reagendada para encerrar o calendário em função dos acontecimentos da pandemia da covid-19. A etapa derradeira, que marcará o sexto título de Scott Dixon ou o terceiro de Josef Newgarden, terá transmissão ao vivo para o Brasil pelo Bandsports e DAZN.

Latest Posts

Rosenqvist, ansioso por el siguiente capítulo de su trayectoria

Felix Rosenqvist finalmente podrá cumplir uno de...

Álex Palou, nuevo piloto de Chip Ganassi Racing

Álex Palou llamó la atención en su...

Felix Rosenqvist se une a Arrow McLaren SP para 2021

Felix Rosenqvist se unirá a Arrow McLaren...

McLaren confirma Rosenqvist e Ganassi anuncia Palou como substituto

Texto: Geferson Kern/colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com