martes, mayo 18, 2021

Marco Andretti repete o avô 33 anos depois e sai na pole, 11 milésimos melhor do que Dixon

Texto: Geferson Kern / colaborador Brasil do IndyCarLatinos.com

Em maio de 87, Marco Andretti tinha dois meses de vida quando seu avô, o já tetracampeão da Fórmula Indy, Mario Andretti, cravou sua terceira e última pole position da carreira para as 500 Milhas de Indianápolis. Hoje, 33 anos depois, Marco repetiu o feito em alto estilo: neste domingo (16), ele cravou sua primeira pole para a Indy 500, com míseros 11 milésimos de vantagem sobre Scott Dixon, que buscava sua quarta posição de honra para a prova. A soma das quatro voltas de Andretti foi de 2:35.7985, contra 2:35.8098 do neozelandês.

Marco também conseguiu um feito jamais obtido pelo pai, Michael, proprietário da equipe pela qual compete, que nunca largou na pole position em Indianápolis – sua única presença na primeira fila foi em 1986, na última edição disputada antes do filho piloto vir ao mundo. Também foi a segunda pole da Andretti em Indianápolis, em repetição ao feito obtido há 15 anos, com Tony Kanaan, quando o time ainda se chamava Andretti-Green – no que foi também a única posição de honra do brasileiro na pista.

Curiosamente, a primeira pole de Marco no Speedway veio um ano após a edição de 2019, em que o avô foi o grande homenageado pelo cinquentenário da única vitória dele – e da família – nas 500 Milhas, numa prova em que o neto teve um desempenho sofrível (chegou em 26º, cinco voltas atrás do vencedor). Foi ainda a sexta pole de Andretti na carreira na Fórmula Indy, a primeira desde a prova 1 de Detroit em 2018 e a primeira em circuito oval desde a corrida de Pocono em 2013. 

O filho de Michael e neto de Mario, último a ir à pista no Fast 9 por ter sido o melhor no sábado, vai dividir a primeira fila com o próprio Dixon e com Takuma Sato, em primeira fila toda da Honda. Sato foi primeiro a ir à pista e conquistou sua melhor posição de largada em 11 participações em Indianápolis. Na única vez que havia disputado a batalha pela pole até hoje, em 2017, o piloto da Rahal-Letterman-Lanigan, que venceu naquele ano, havia conquistado o quarto lugar do grid.

Queda dos companheiros

Se no sábado a Andretti colocou quatro carros nas quatro primeiras colocações, no domingo o desempenho não foi o mesmo. Ryan Hunter-Reay, segundo no sábado, vai largar somente em quinto. James Hinchcliffe, quarto na primeira sessão, partirá em sexto. Já Alexander Rossi, terceiro mais rápido na sessão inicial, foi o mais lento do domingo e largará em nono – sua média dominical de 229,234 mph o colocaria apenas na 23ª colocação no grid se fosse obtida no sábado.

Mais rápido do que todos eles foi Rinus VeeKay, melhor no grid entre os novatos e entre os pilotos com motores Chevrolet. Único representante da fábrica de Detroit no Fast 9, o holandês vai largar em quarto. Seu desempenho mantém a saga de boas performances da equipe Ed Carpenter em Indianápolis, que vinha de quatro primeiras filas consecutivas (com uma pole) nas últimas quatro edições da corrida.

O estreante espanhol Alex Palou, da Dale Coyne, autor da média mais rápida deste domingo em apenas uma volta, com 231,901 mph (373,128 km/h), largará em sétimo, logo à frente de Graham Rahal, companheiro de Sato na Rahal-Letterman-Lanigan. Ambos, junto com Marco Andretti, foram os únicos a manter no domingo exatamente as mesmas posições conquistadas no treino de sábado. 

O Fast 9 deste ano teve uma característica curiosa: nenhum piloto conseguiu virar no segmento que define a pole melhor do que havia conseguido no treino de sábado. O pole Andretti, por exemplo, fechou suas quatro voltas no domingo com 2:35.7985, média de 231,068 mph (371,788 km/h). No sábado, havia virado 2:35.6078, média horária de 231,351 mph (372,243 km/h). 

Pole, domínio e história

A pole de Marco Andretti foi também a primeira de Bryan Herta como chefe de equipe nas 500 Milhas de Indianápolis. O pai do jovem Colton, que larga em 10º na prova do dia 23, já soma duas vitórias na corrida, com Dan Wheldon em 2011 e com Alexander Rossi em 2016, quando já possuía Michael Andretti como sócio no carro #98, que também possui uma participação acionária do próprio Marco – a equipe que alinha este carro, oficialmente, se chama Andretti-Herta Autosport with Marco Andretti & Curb-Agajanian.

A conquista da pole neste domingo corroborou o domínio de Marco Andretti nos três dias do fim de semana de classificação, quando os carros possuem potência aumentada em relação ao que usarão na corrida. Ele foi o mais rápido em todas as sessões desde a Fast Friday, na última sexta-feira (14), quando virou a volta mais rápida da história de Indianápolis desde 1996, com 233,491 mph (375,687 km/h) de média horária.

Esta foi ainda o sétimo tempo de um pole position mais rápido da história da Indy 500, atrás apenas das médias dos poles de 1996, 1992, 2017, 2003, 1995 e 2002. No ranking histórico, o tempo de Marco em 2020 foi apenas um milésimo mais rápido do que o da pole de 2014, com Ed Carpenter: 2:35.7985 contra 2:35.7992, diferença de 0,001 mph (ou 0,002 km/h).

Caminho até a prova

Ainda neste domingo, todos os pilotos, já em modo de corrida, farão o último treino livre da semana em preparação à prova. Os carros voltam à pista pela última vez antes da corrida na próxima sexta-feira (21), com o Carb Day. A 104ª edição das 500 Milhas de Indianápolis ocorre no dia 23 de agosto, às 15h, com transmissão ao vivo para o Brasil via TV aberta com a Band e por streaming com o DAZN.

Latest Posts

Quinta Marcha: Cinco preguntas del Mes de Mayo

Ahora que el GMR Grand Prix está...

Fin de semana de lucha para Sulaimán en Indy GP

Lo que se perfilaba para ser un...

Rinus VeeKay obtiene primera victoria en INDYCAR

La creencia siempre ha estado ahí para...

Romain Grosjean, en pole para GMR Grand Prix

Hablemos sobre hacer una entrada triunfal.